A importância daquele tal de DRT

Outro dia, conversando com um leitor desta coluna, ele perguntou: TATI, qual a importância exata do DRT?
Não sei. Exata, não sei. Como é que eu posso saber a importância exata de um documento?

{mosimage}Um fato é que a gente precisava regulamentar as coisas, precisava fazer de”ser artista” uma profissão exercida como as outras: com documentos!
Aí inventaram o tal do DRT para quem quer fazer TV, teatro ou ser técnico. Antes você passava pelo exame teórico (uma prova tipo vestibular) e se classificado ia pra prova prática. Você tinha 3 minutos para apresentar um trecho de comédia. 3 minutos pro trecho do drama. Tínhamos direito à réplica. E esperávamos ansiosamente
pelo resultado. O exame da banca era o vestibular dos atores. Um terror!
Normalmente, a banca tinha um índice de reprovação de quase 80%. Alto pra cacete. Sempre foi desta forma e me disseram que continua igualzinho. A não ser que o esquema do sindicato mude, que a gente não tenha corrupção comendo pelas beiras lá dentro e que a gente seja mais bem preparado nas escolas de teatro que não dão as alunos o DRT.

De outro lado tem questões práticas. Eu tirei DRT depois de 10 anos completos de teatro. Nunca precisei, nunca pediram
e tive a sorte de trabalhar sempre. Ou seja, para mim não foi fundamental mas acho válido sim. Acho válido porque a gente fica
com a sensação de mais segurança, acho válido porque a gente pode reclamar.

A famosa faca de dois gumes. Se você é talentoso pra cacete, se tem o privilégio de estar sempre em cartaz, se pode e acontece
o DRT não há de ser tão importante. Caso contrário será. Um produtor que quer espizinhar porque não foi com sua cara, logo vem
com a pergunta que faz gelar: TEM DRT? SE NÃO TIVER NÃO FAZ O TESTE!
Faz parte, tem que ser. Hoje em dia todo mundo quer ser artista da Globo, tá preparado pra fazer novela, tira a roupa e pede emprego no Zorra Total. Tudo artista. Até Sheila Mello virou atriz (essa com méritos considerando que soube que está estudando sem parar pra ser melhor!)!!! Do Tchan pras coxias com Fernanda Montenegro!!!!Sim. É preciso passar todos os candidatos a artistas por uma peneira. Que peneira, sua maluca? O DRT por si só é uma peneira. Seja pela banca, seja pela escola. Tem que estudar de algum jeito.

O DRT é o sinal de que você percorreu algum caminho já. Ninguém entra para fazer exame de banca sem ter o mínimo de muita noção do que está fazendo. Se fizer vai pagar um mico triste de ver. Significa que alguma coisa foi feita, assimilida e que ali tem talento ou no mínimo, disciplina. Um menino que vai pra escola de teatro profissional pode não ser o mais talentoso do Universo mas vai aprender técnicas, vai se disciplinar, vai tentar. Tentando com força ele consegue e sai de lá com o DRT.
Na verdade o DRT não pode, não deve e não é medidor de talento. Mas nos dá a vaga idéia de que algo de certo e bom foi feito.
Tá certo quer a gente ouve aí uma, duas ou três histórias de gente que comprou o DRT. Mas me custa acreditar que isso será regra,
que essa moda vai pegar, que a gente tá aqui ralando e estudando de palhaço.Não é não. E mesmo que a moda pegue a gente sai ileso porque fez certo.

O DRT é importante?
Continuo a dizer: Não sei exatamente. Mas acho válido.

PS: Feliz 2006 pra todo mundo e desculpem a ausência!!!

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Deixe seu comentário


Código de segurança
Atualizar