Alimentando monstros

Lá se vão dez anos do primeiro BBB e com o passar de todos esses anos, a praga dos “realitys shows” só fez crescer na televisão brasileira. Cada dia que passa o monstro está maior e cada vez mais voraz e sedento e, se multiplicado aos milhões, atrás de seus quinze minutos de fama. A televisão não pode ter se rendido por completo a esse tipo de entretenimento.

Não é uma questão de saudosismo por esse ou por aquele programa, é pela televisão como um todo. Aquela caixa mágica que era a sensação das casas, não é mais o veículo de comunicação de outrora que informava e divertia, só tem câmeras para as bisbilhotices. Só se interessa com o que se passa com a vida alheia, e quanto pior, melhor.

E, atrás deste modelo de televisão, mais e mais pessoas, buscam de uma forma desenfreada, fazer algo de estranho, bizarro, indecente e até inacreditável, apenas para chamar a atenção das câmeras da TV. A televisão de hoje em dia é só fofocas, desgraças e invasão da privacidade alheia.

Não se pode querer depois, a televisão “x” ou a televisão “y”, vir na imprensa para reclamar dos números da audiência. A televisão ficou um negócio sem graça e por deveras desinteressante, diante de tantas opções de diversões nos dias de hoje.

A opção que as redes de televisão fizeram por um entretenimento pobre, acabou por mudar completamente a relação televisão e telespectador. Uns, nem a vêem mais e nutrem profunda ojeriza por ela, outros, fazem o possível e impossível para aparecer em suas telas.

Agora o que interessa para as redes de TV, é bisbilhotar a vida alheia. E na esteira de mais um BBB, vem aí uma novela que vai “brincar” de invadir a privacidade alheia e uma série que vai se ocupar de mostrar a vida dos “paparazzis”. É o fim! Aliás, torço para que seja.

Tomara essa onda chegue logo ao fim e as redes de televisões coloquem a disposição do telespectador, algo que realmente valha à pena, algo que não seja alimentar monstros sedentos por aparecer e se mostrar em suas telas. Pois, não há nada mais sem graça e constrangedor, do que bisbilhotar a vida dos outros.

Deixe seu comentário


Código de segurança
Atualizar