Ao inferno com os aplausos

Todas as pessoas aplaudem, pelo menos as que têm duas mãos (apesar de que, mesmo sem as mãos, acaba se dando um jeito).

Mas convenhamos, senhores:Onde foi parar o sentido dos aplausos?

Quantas vezes você, leitor, não foi a um espetáculo horrível e se surpreendeu aplaudindo, junto com todos ali presentes, aquela merda de "apresentação", que merecia no máximo um tapinha nas costas e um "valeu pela intenção".

É isso que reflete a posição crítica (nos dois sentidos) dos espectadores de hoje. Os aplausos se tornaram uma formalidade, quase uma obrigação ao fim de cada espetáculo.

É insuportável, também, assistir a uma peça  interessante (o que, por obrigação, todas deveriam ser) e no final toda a multidao aplaude de pé. Ora, ora. Meu avô não iria entender. A parabenização MÁXIMA para um espetáculo "meramente" BOM.

Por favor, vamos rever nossos conceitos como público. O aplauso deve ser sincero, sempre, e na medida merecida. Só assim os artistas "moderninhos" vão ligar o desconfiômetro, e os fodões irão saber que seu trabalho foi SINCERAMENTE reconhecido e/ou criticado.

Se você nao sabe como fazer isso, pergunte ao seu avô.

Deixe seu comentário


Código de segurança
Atualizar