Por onde andam as lendas?

Por onde anda o Saci Pererê? Por onde anda o Curupira? Onde se escondeu a Mula-sem-cabeça? Alguém sabe por onde anda o Negrinho do Pastoreio? É, alguém apagou as lendas da nossa memória. Alguém sabe onde está o Boitatá? Hoje não vemos mais o Lobisomem quando da lua cheia. Por onde andam as lendas que nos encantavam?

Em que lugar do tempo, deixamos escapar o interesse em divulgar nossas len-das e mitos? Talvez no tempo em que resolvemos compartilhar outras culturas. Perdemos cada vez mais a nossa identidade e, ao tornarmos mais importantes lendas e mitos de outros países, contribuímos para perder contato com nossas raízes e com nossa história.

A cultura de um país é a sua identidade e a preservação do conjunto de lendas e mitos que compõem o que chamamos de folclore, reforçam a característica e a singularidade de um povo. Cada lenda e cada mito contam um pouco da formação de nosso país e de nosso povo. Quando abandonamos a idéia e deixamos de dar importância às festas populares, descaracterizamos cada vez mais o nosso país.

Quanto mais o tempo passa, mais é visível a falta de importância que é dada para as comemorações do dia do folclore. São raras as manifestações e as intervenções que propagam as lendas e mitos populares, muitos, apenas distribuem pinturas com figuras do nosso folclore para as crianças colorirem e assim, cada vez mais vemos nossas lendas e nossos mitos se distanciarem.

Sempre que ouço o desdém que algumas pessoas tem sobre os assuntos da cultura, percebo de como já estamos distantes daquilo que formou o nosso país e ver passar quase em branco o mês do folclore, mostra que o nosso povo já não se identifica com nossas lendas e nossos mitos. Aos poucos, as lendas e mitos se afastam do imaginário popular e não demorará muito para serem esquecidas de vez.

Enquanto se é possível, devemos valorizar as manifestações populares, nossas lendas e mitos, reforçando o conceito que é o conjunto de todas essas coisas que criam a identidade de um povo e, cada vez, que nos afastamos das coisas de nossa terra, mais nos afastamos daquilo que nos representa como filhos do lugar.

Por isso, procuremos o Saci-Pererê, corremos atrás de encontrar o Curupira, vamos atrás de encontrar onde se escondeu a Mula-sem-cabeça, busquemos seguir a lua cheia para encontrar com o lobisomem. Assim, será possível resistir à idéia de apagar da nossa memória a importância de preservar nosso folclore. 

Deixe seu comentário


Código de segurança
Atualizar