Dramaturgia é outra coisa

Sei que este é um assunto que já tratei outras tantas vezes em outros tantos artigos, portanto, vou procurar não ser muito repetitivo. Acontece que tenho lido alguns textos para teatro, e eles podem ser tudo, menos dramaturgia. Então, acho que vale a pena mais uma vez, trocar experiências sobre o que eu aprendi e que ainda venho aprendendo sobre a peculiaridade de se escrever um texto para teatro.

Á primeira vista pode se achar fácil escrever um texto para teatro, basta trocar alguns diálogos entre alguns personagens e, pronto, temos um texto para teatro, dramaturgia pura. Ledo engano. O que tenho lido mostra que há uma grande confusão de gênero literário, uma mistura de conto narrativo com roteiro cinematográfico e algumas pitadas do universo teatral para deixar o texto familiar ao gênero teatro.

Soma-se a isso, a falta de criatividade, a deficiência com a escrita da língua pátria e o notório desconhecimento das ferramentas necessárias para se escrever para o gênero teatral. Porém, é possível perceber em alguns dos textos, que alguns tantos precisam apenas do aprendizado, pois mostram um mínimo de noção, mas a falta de conhecimento deixa claro que há uma deficiência, aliás, várias deficiências.

E como melhorar isso? Bem, estudando e escrevendo, fazendo e refazendo e, principalmente, freqüentando cursos e oficinas de dramaturgia, onde a troca de conhecimentos e as dicas sobre as ferramentas que compõem a construção do texto são fundamentais, Mas, infelizmente, a freqüência das oficinas de dramaturgia que dou, é baixíssima, uma pena. Eu, sempre que posso, faço cursos para aperfeiçoar o meu trabalho. Aprender é preciso.

Hoje ainda faço uso do que aprendi nas primeiras aulas de um curso de dramaturgia e que todo mundo que quer escrever para teatro tem obrigação de saber: dramaturgia não é drama na acepção da palavra, dramaturgia significa: ação, portanto, o que faz um texto de teatro é a ação provocando uma reação e essa ação precisa ser oriunda de um conflito, provocar um clímax e desaguar numa resolução, porque, uma história sem conflito, não precisa ser mostrada, pode ser simplesmente contada, e aí, deixa de ser dramaturgia.

A dificuldade que percebi nos textos que andei lendo é justamente esta, a história não é contada através das ações de seus personagens, na maioria deles, há muita narração de fatos e a utilização de artifícios de roteiro, pontuando algumas marcações cênicas, como se isso, já fizesse do texto, dramaturgia. Há de se pensar a história e visualizá-la em cima de um palco. As ações precisam mover a história em busca da resolução do conflito.

Por isso, quem gosta mesmo de escrever para teatro, precisa freqüentar cursos e oficinas de dramaturgia, porque escrever para teatro é um aprendizado eterno e infindável, pois, teatro fala das relações humanas e estas, estão sempre em conflito. É isso, os ingredientes para uma boa dramaturgia estão todos aí, basta apenas querer aprender.

Comentários   

+2 #1 Carlos Jerônimo 07-05-2014 21:57
Bom texto. Uma boa dramaturgia tem que ter uma boa espinha dorsal, com seus pequenos conflitos, isto é, pequenas crises, que não resolvidos, vão se desencadeando em um grande conflito que só termina no desfecho final. Estou aprendendo a escrever e seu texto me clareou algumas ideias. Abraços
Citar

Deixe seu comentário


Código de segurança
Atualizar